in

O ESG (Meio Ambiente, Sociedade e Governança) no Brasil profundo

ESG
ESG

O ESG (Meio Ambiente, Sociedade e Governança) no Brasil profundo

A relevância do agronegócio no PIB e balança comercial brasileiros sempre foi muito grande, apesar de não representar o maior peso na geração de riqueza do Brasil (posto este ocupado pelos Serviços). Somos um país industrializado e com um mercado de serviços muito intenso, mas o protagonismo trazido pela evolução da área plantada, mecanização (produtividade) e, principalmente, organização setorial (vide bancada do congresso) tornam esse segmento um símbolo de um Brasil que está fazendo corretamente sua lição de casa.

Em 2020 a CNA (Confederação Nacional da Agropecuária) trouxe um panorama reconhecendo a agropecuária como vetor crucial do crescimento do nosso país. Em 2019, a soma de bens e serviços gerados no agronegócio chegou a R$1,55 trilhão, o que representou 21,4% do PIB do Brasil. Junto com o crescimento de lavoura, pastos e as técnicas disponíveis, a evolução tecnológica tem feito de nossa agropecuária um exemplo para outros países.

Por outro lado, tive a oportunidade de avaliar in loco alguns players locais e percebi que o processo de gestão da grande parte das empresas do ramo ainda apresentam muitas oportunidades, e muitos agropecuaristas ainda não alinharam o avanço das práticas gerenciais àquelas aplicadas na produção. A compreensão que uma boa gestão (governança moderna) pode fortalecer e expandir as atividades das empresas não foi absorvida por grande parte dos empreendedores locais (TAILARINE, RAMOS, 2015).

O setor agropecuário brasileiro é composto por muitos pequenos e médios produtores (tabela 1), e 40% dos produtores brasileiros não sabem ler nem escrever. Ainda que a capacidade operacional e operativa destes produtores seja alta, esse baixo nível de escolaridade pode explicar parte do cenário apresentado no fim do último parágrafo (TAILARINE, RAMOS, 2015).

Para se ter ideia da importância do agronegócio no Brasil, em 2013, segundo Eduardo Riedel, presidente da Federação da Agricultura e Pecuária de Mato Grosso do Sul (Famasul) o agronegócio respondia por 37% da geração de empregos no Brasil, abarcando grande parte da mão de obra do nosso país e demonstrando a responsabilidade das médias e pequenas propriedades na economia e sociedade brasileiras.

Se por um lado enxergamos uma indústria avançada e de ponta, altamente mecanizada e amplamente veiculada em rede nacional sob o lema do “Agro é pop, Agro é tudo”, por outro lado vemos o recrudescimento do desmatamento na Amazônia e no Pantana, além das ainda presentes denúncias de trabalho análogos à escravidão. Essa dicotomia indica um abismo entre às práticas gerenciais aplicadas nas grande corporações e nas locais, mostrando que a tendência à profissionalização de toda a cadeia do agronegócio deve ser acelerada, visando garantir a captação de todo o potencial de geração de renda e riqueza deste negócio, criar um mercado financeiro ainda mais atuante no setor, uma sociedade economicamente ainda mais justa, intelectualmente educada e mentalmente feliz.

Leia mais conteúdos do Colunista

Written by Torquato Santos

Como adminstrador e financista com mais de 15 anos de experiência na área financeira e de planejamento, encontrei na assessoria financeira a oportunidade de reinventar minha carreira influenciando o modo como as pessoas e empresas investem.

Pelo ensino genuíno sobre o processo decisório das pessoas, busco mostrar e acompanhar pessoas e empresas em um caminho relativamente novo no Brasil, que é o Mercado de Capitais.

Vamos juntos criar novos horizontes de valor para você, sua familia e sua empresa.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

ENRIQUECE

POR QUE VOCÊ NÃO ENRIQUECE?

Alta dos aluguéis aquece o mercado de coworkings

Alta dos aluguéis aquece o mercado de coworkings